Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas no Bar da Praia

Às segundas, nem sempre sobre bares ou praias.

Crónicas no Bar da Praia

Às segundas, nem sempre sobre bares ou praias.

Faz hoje 1 ano que o meu primeiro livro foi publicado. Digo primeiro, mas talvez esteja a enganar quem lê, incluindo a mim. De facto, foi o primeiro, mas não há nenhum segundo no horizonte. Nem nas notas do telemóvel. É o meu livro. O único. Quiçá o último. E mesmo que não seja, queria só usar a palavra “quiçá” algures. Escrever uma crónica sobre um livro de poesia é confuso, eu sei. Mas durante este ano inteiro, o livro está na categoria de “contos”. Tudo faz (...)
Esta crónica não é sobre os meus hábitos de leitura na poltrona. Até porque isso só faço em casa. Nem sobre a que escrevo, até porque tenho pouco de javardão em mim para o fazer em azulejo alheio. Contudo, isto podia ser o primeiro capítulo de um livro temático. Lavar as mãos pode parecer uma tarefa inconsciente e leviana, mas tem muito que se lhe diga quando é feita fora de casa. Mesmo que existam todas as condições como água e sabão. E algo para as limpar que não sejam (...)
10 de março foi o meu aniversário, as eleições, os Óscares, o início do Ramadão e o fim da Moda Lisboa. Tentei fazer o bingo dos compromissos com tudo o que se passava num só dia, mas falhei dois: por falta de estilo e de religião. Nunca me quis comprometer com esta ideia, mas fiquei a pensar sobre compromissos. Há coisas que se combinam com tanta antecedência que a resposta cai em demasia num “em princípio sim” ou “ainda falta muito, logo se vê”. Podia deduzir que (...)
“Sempre tive o bichinho…” é uma frase muito ouvida nas artes e na comunicação. Parece que todos nasceram com uma missão de vida que estão a concretizar. É fruta da época em todos os talent shows, mas não só. E quanto mais ouço, mais sei que não tenho bichinho nenhum. Esta crónica pode ser muito falsamente egocêntrica. Espero eu. Não sinto que seja, mas vou parecer. Tudo para tentar explicar o meu ponto de vista. Explicar a mim próprio, porque é a escrever que me (...)